Translate

sábado, 29 de março de 2014

E o tira-gosto é?

 Língua! (merece um clique)
Huuummm… e lembra  Beercast Brasil (também merece um clique) pois combina bem com cervejas especiais (mas com moderação kkkk) e eu adoro tudo isso.  O programa dessa semana (#46) deixou duas coisas bem claras. Uma é que a cerveja apresentada é sensacional e merece ser degustada. E a outra, é que gosto, no sentido de paladar, é igual a   (piiiiiiii)  impressão digital, cada pessoa tem um. É verdade! Cada pessoa tem um paladar único que varia devido a vários fatores como composição da saliva, idade, obesidade, números de células das papilas gustativas, hábitos e muitos outros. Ou seja, uma mesma substância vai gerar diferentes reações, podendo para um ser insípida e para outro extremamente forte e insuportável. Além disso, está intimamente ligado ao olfato e pode sofrer mudanças, o que explica o fato de você passar a gostar de um alimento ou bebida que não suportava antes. 
E por que ficamos tão desconcertados quando manifestamos um gosto contrário ao do outro? Talvez uma resposta esteja na lista de regras não escritas da vida, mas o que era pra ser super natural recebe o rótulo de sinceridade e, às vezes, acaba causando constrangimento. 
Portanto, não se acanhe e, se numa situação como essa, alguém fizer "cara de quem comeu e não gostou", explique que não é uma questão de opinião, é simplesmente biológico. 

Texto por Adriana Jardim, arquiteta, viciada em Comté, tem um Sommelier em casa, toma vinho toda noite mas o aperitivo é cerveja.

Para saber mais: 
Paladar: o mais fino dos sentidos.
Por que o paladar muda com o tempo?
Comer, em todos os sentidos.
Língua para fora.
Pessoas obesas podem ter paladar mais apurado.

2 comentários:

  1. Adriana ótimo texto!

    Nestes meses de Beercast eu tenho percebido que o assunto cerveja gera um certo medo em as vezes comentar e dizer o que achou ou que não gostou, parece que foi criado um esteriótipo que você tem que ser macho ogro e gostar de todo tipo de cerveja e claro as mais fortes. Cada um quer defender seu estilo preferido e medir conhecimento, felizmente isso esta mudando e o "cervochato" esta perdendo forças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo,
      o tal esteriótipo existe mesmo. Quando fui pra Bruxelas, eu era debutante em cervejas especiais, não sabia os nomes, não sacava muito do assunto e, que pena, ainda não existia o Beercast Brasil. Eu continuo não sacando, sou só apreciadora curiosa mesmo e hoje aprendo muito com vocês. Então, eu pedia uma sugestão nos restaurantes e sempre vinha as bem frutadas.
      Aproveito o comentário pra parabenizar o Beercast Brasil, eu realmente adoro ouvir vocês!

      Excluir