Translate

domingo, 23 de setembro de 2012

Lugar incomum


Se você conheceu Arraial d’Ajuda há uns bons anos atrás e tem uma saudade imensa da beleza primitiva do lugar, Hakuna Matata! Da lambada ao forró, há alguns km dali, existe um vilarejo cujo acesso é feito em pequenas canoas e não é permitida a entrada de automóveis. O encontro do rio com o mar, as ruas de areia e as casas coloridas, tudo isso dá um charme todo especial a esse lugar. Um verdadeiro paraíso! Além de oferecer inúmeras atrações durante o dia, à noite há diversas opções de bares, restaurantes e lugares para dançar. Entre os 18 destinos baianos indicados para visitação turística no período da copa, Caraíva não poderia estar de fora. Lugar mágico e inesquecível, de boa música e gente bonita, perfeito pra quem precisa quebrar a rotina!

Manhã - sair do forró e tomar um super café com as queridas Duca e Lua. Cochilar e se preparar para um banho de rio com barulhinho de mar, na barra -  é lá que ambos se encontram.
 
Tarde - Nega Maluca da Duca – sobremesa imperdível. Praia antes do clássico por do sol com pastel no ponto dos mentirosos, no buteco do Pará. Para descer o rio de bóia, basta observar a maré (do mar, não o aroma que toma conta de Caraíva). Na visita à Aldeia de Barra Velha (índios Pataxós) experimente o peixe assado na folha de Patioba.
 
Noite - Não esqueça a lanterna, Caraíva não tem luz nas ruas e isso faz o céu ser o mais estrelado que você já viu. Na cachaçaria, dentre os vários tipos e nomes engraçados dados a nossa famosa pinga, a “Busca Vida” é a tradicional e merece ser degustada tanto pura como acompanhada de frutas. Também é possível curtir lual com bandas na praia, sambinha na beira do rio, chorinho de qualidade com o Caraivana, balada na Pousada Lagoa, Japa ou caldo de mariscos e cogumelos no Principado e fechar com “chave de ouro” se acabando no forró regado a muito Netuno* e ao som do Triângulo Caraíva e outros tantos, até o sol nascer.

Dica importante: Nem todos os estabelecimentos abrem o ano todo. Então, é melhor visitar Caraíva durante o verão, julho e em feriados prolongados. Ah, e sabe aquela sandália de salto Anabela que você ama porque é super confortável? Lá não vai funcionar. É melhor levar chinelo pra não queimar os pés na areia e sandália ou sapatilha pra dançar forró.

Como já dizia um sábio facebookiano: saudade é que nem bicho de pé, dói, mas dá aquela coceirinha boa... Ô Caraíva!! A vida não podia ser sempre assim não?!

Texto por Adriana Jardim – arquiteta, dança forró, tem um pescador em casa, ama camarão e é viciada em Netuno.

*Netuno= vinho de caju com gengibre, bebida típica da região.